por Telma Moura.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Divagar [...]

Limites onde estão?
Seus olhos cansados, os ombros caídos
Correria, correria
Tudo em 60 minutos passa devagar
Passo a divagar o tempo corrido
Pelo conforto dos meus pés cansados
Que pisam o chão quente do contato
Dos pneus exaustos da economia
"Bii!-polaridade", ódio e azia
Da fumaça e do caos
Ao acaso de tudo que fazemos
Pra sobreviver
E de onde viemos
A sobreviver nem vivo
Respiro a cada pausa
De uma ligação
"Triim!-ta" segundos, talvez
um pouco mais
Um minuto por favor
Uma dose de amor aqui
"Chho-ve" lá fora
O silêncio do céu conforta
Cinco segundos de paisagem cinza
O chão reflete em cada poça
Pedaços do ritmo quebrado da vida
O ritmo quebrado da minha própria vida.

Um comentário: