Pular para o conteúdo principal

Poema: Volátil

O nada no meio do nada
Às vezes a trombeta anunciativa do anjo
Às vezes o chão.
Entre buzinas, burburinho e multidão
O rachar do asfalto, os corredores
Entre a guerra de despertadores.


O ganhar e o perder
De cada dia nos dai hoje,
A sabedoria para entender o homem.
Entre o preço justo, e o salário
Quanto custa a dignidade?


Entre a busca infinita por aquilo que não existe,
Não existirá.
Pelas causas perdidas,
Por amor, pela paz
Pela chuva não ácida.
Pela transparência das relações humanas
Por humanidade.
Trajando saudade, calcei a sensibilidade e caminhei por ai a sinalizar:
-“Não sou máquina!”


Pelo mundo esse olhar é uma janela
O que olho são fotos de um fotógrafo de guerra
O que sinto se parece com o que sente aquele homem
Que dorme ali no chão.
O mundo é o projeto quase inacabado da destruição
Os arquitetos somos nós.
A tristeza anunciada segue rasgando multidões
O fluxo contínuo da desigualdade,
A chinela nordestina rachada,
A cheia atropelando plantações
A loucura climatempo associada
Aos distúrbios psicoproblemáticos da população.


O consumo sem limite do vazio e descartável
A engrenagem seca gira devagar
Triturando o frágil cérebro da população
A engrenagem seca, gira com dificuldades, sem parar


Jogando baldes de água fria
Nos sonhos desesperados
De quem nunca tem nada – nada pra perder
Nunca (temos-somos) nada. Nada de mais.
Te prometo o sol, e o céu azul
40 graus parece ótimo!
Debaixo da lua cantarolo canções
Enquanto construo castelos, nações.


Impérios se erguem pela diminuição potencial dos
Dias de vida dos cidadãos
E o que somos afinal,
Além de simples motor de funcionamento da vida?
O que somos além de máquina? O corpo recua:
Todos os dias encaro a vida como uma obrigação
-“Não sou máquina!” Mas tudo bem - seguimos o fluxo da produção.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A FLÂNERIE POLONESA

O blog passará a ser utilizado como forma de apresentar a poesia que circula por aí, ou que não circula. A ideia é fazer um diálogo entre poetas e suas poesias, bem como o conhecimento de suas obras, a forma como cada um talha na palavra a sua obra. 
Timidamente quero começar a pensar de que forma a poética de Wislawa Szymborska (1923- 2012) encontra um ponto de contato na poesia de Czeslaw Milosz (1911-2004), dois poetas poloneses. 

| DESCRIÇÃO DE SI MESMO JUNTO A UM COPO DE WHISKY NO AEROPORTO, DIGAMOS EM MINNEAPOLIS | 
Meus ouvidos ouvem cada vez menos das conversas, meus olhos vão ficando mais fracos, mas não se fartaram. Vejo suas pernas em minissaias, em calças compridas ou tecidos voláteis, Observo uma a uma, suas bundas e coxas, pensativo, acalentado por sonhos pornô. Velho depravado, é a cova que te espera, não os jogos e folguedos da juventude. Não é verdade, faço apenas o que sempre fiz, compondo cenas dessa terra sob as ordens de uma imaginação erótica. Não desejo a estas criatur…

3 poemas de Age de Carvalho

1. 37
"Sou sempre
e novamente: todo dia.

"Acumulando destino",
diz o amigo-ego
repetindo Guillén.

Ninguém-eu
comigo íntimo,
a imagem do mundo."

2. Uma fotografia

"Acena ao mundo: estás só na turba,
      na turba
                 transmudado -
e vives: aqui


te encontro, a mão no teu sorriso sobre o retrato."
3.

"O PIER, a escada ferida de Deus
rumo às águas brilhantes:baixamos, arrivados ao Nenhum  o coração descalço - 
uma jura encravou-se na madeira, comemos sem culpa, floresceu a palavra esperança
entre lodo,           pedras fundas,      ferrugem."


-Age de Carvalho, in: Caveira 41. São Paulo:Cosac & Naify,2003. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003. Coleção Às de colete.

Poema: A CALL CENTER IN SÃO JOÃO DEL-REI

quero falar sobre este lugar sobre o teto que me acolhe
há tanto tempo
das coisas que não vejo
enquanto a vida acontece lá fora
enquanto o sol acorda
e te aquece e assim como hoje
lá fora a partir das 18h anoitece
quero te contar
dos dias que engolem
minha juventude nessa cadeira
giratória beirando abismos e mais abismos
sob um teto frágil que nunca cai
quero falar da
vida que passa e
eu não vejo
enquanto o tumulto sufoca o seu caminhar
então existe uma janela que
acolhe meus sonhos e uma montanha se reflete nos
vidros de uma estrutura arquitetônica colossal
quero entender o
seu estar aí do lado de fora se
rapidamente
eu fechar os olhos por alguns segundos
quero imaginar o movimento do dia
a cor da vida se
por um acaso
alguém abrir essa porta.