por Telma Moura.

quarta-feira, 11 de março de 2015

24m²

No espaço limitado
Destas quatro paredes
Só me restam
O desejo
O silêncio desesperado
E o dom.

05:47am

Acorda.
Um ruído desperta o infante
Motores, passarinhos e seus louvores
Rádio e
ruídos de tv
Faz alguns dias, acredito
- que nem durmo
O poema que escrevo
é de sono leve
Sigo todo ritual, sem sucesso ] recuo]
- apago a luz,
respiro devagar
Em nome do pai, do filho, e do espírito santo
Ninguém - consegue me desligar.